Pedincha

Pedinte

No dia em que a minha mãe me deixou, a minha infelicidade foi crescendo e a minha sabedoria acompanhou-a. A fome apertava e apercebi-me que tinha de conseguir arranjar comida. Não valia a pena pedir ajuda ao meu pai porque ele há muitos anos se sacrificara ao alcoolismo.

Como tal, decidi sair às ruas, dedicar-me à pedincha, como alguns amigos meus faziam. E até conseguiam uns trocos… 

Algumas pessoas me dão comida, outras moedas, tabaco, bebidas, bofetadas.

Os anos passam e continuo aqui, neste corpo de onze anos, sem ir à escola e a experimentar múltiplas experiências… 

Criticava, odiava, repugnava tudo o que o meu pai fazia, mas hoje até o compreendo. Chego a ser bem melhor que ele e ainda tenho tanto para aprender.

Beber alegra o espírito, fumar desperta-me a alma, roubar sustenta-me e não preciso de mais nada para saber que por pouco teria sido uma criança igual às outras.

Anúncios

~ por kkiara em Abril 14, 2007.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: